Publicações

Encapsulation of cisplatin in long-circulating and pH-sensitive liposomes improves its antitumor effect and reduces acute toxicity.

 

Elaine Leite, Cristina Souza, Álvaro Carvalho-Júnior, Luiz Coelho, Ângela Lana, Geovanni Cassali, Mônica Oliveira.

International Journal of Nanomedicine, 2012


Cisplatina é um potente e efetivo antitumoral usado no combate aos tumores sólidos. Entretanto, seus efeitos adversos e sua tendência a quimioresistência são limitantes de seu uso. Para evitar estes inconvenientes, lipossomas pH sensíveis de longa circulação contendo cisplatina (SpHL-CDDP) foram desenvolvidos previamente por este grupo. Assim, o presente estudo visa avaliar a atividade antitumoral e a toxicidade dos SpHL-CDDP, comparado com cisplatina livre e lipossomas não pH- sensíveis de circulação prolongada (NSpHL-CDDP) em tumor sólido de Ehrlich. A atividade antitumoral foi avaliada pela análise do volume tumoral, taxa de inibição do crescimento, VEGF e estudos histomorfométricos e imunoistoquímicos. Como indicadores de toxicidade, foram avaliados o peso corporal e análise histológica da medula e dos rins. No tratamento com SpHL-CDDP, foi observado uma redução significativa do volume tumoral e taxa maior de inibição do crescimento tumoral quando comparada ao cisplatina livre e NSpHL-CDDP. Além disso foi observado também, após a administração de SpHL-CDDP, uma redução na área de necrose, na porcentagem de células positivas para CDC47 e nos níveis de VEGF. Nos animais tratados com SpHL-CDDP administrado em doses duas vezes maiores que na cisplatina livre, houve perda de peso e alterações hematopoéticas. Não houve alterações renais. Assim, os resultados mostram que SpHL-CDDP permite a administração de maiores doses de cisplatina, aumentando a eficácia antitumoral.

Figura Artigo Elaine jpeg 2Figura Artigo Elaine jpeg



99mTc-labeled bombesin analog for breast cancer identification

André Luís Branco de Barros, Luciene das Graças Mota, Carolina de Aguiar Ferreira, Natássia Caroline Resende Corrêa, Alfredo Miranda de Góes, Mônica Cristina Oliveira, Valbet Nascimento Cardoso.

J Radioanal Nucl Chem, 2013.


Bombesina é um peptídeo que se liga especificamente a receptores gástricos humanos. Diversa formas de câncer de pulmão, próstata e mama expressam peptídeos receptores de bombesina. Assim, um derivado da bombesina HYNIC-βAla-Bombesina foi radiomarcado com TC99m. A estabilidade in vitro foi avaliada na presença de plasma e excesso de cisteína. Em seguida, foi avaliada a afinidade deste pela ligação aos receptores tumorais, utilizando a linhagem tumoral de mama MDA-MB_231. Estudos de biodistribuição foram realizados em camundongosnude acometidos pelo tumor de mama. Ensaios in vitro mostraram uma boa afinidade por MDA-MB-231, mostrando 20% de internalização após 4 horas da administração. Estudos de biodistribuição da TC99m-HYNIC-βAla-Bombesina mostraram um rápido clearence e uma excreção renal significativa. Além do mais, a captação tumoral foi maior que em órgãos não-excretores, como fígado, baço e músculos.  Assim, TC99m-HYNIC-βAla-Bombesina mostrou afinidade adequada para a linhagem MDA-MB-231, sendo este análogo um candidato para a identificação de tumores positivos para bombesina.

Figura Artigo André jpegFigura Artigo André jpeg 3 Figura Artigo André jpeg 2



Development and characterization of multilamellar liposomes containing pyridostigmine.

 

Ana Caroline Souza, Andrea Guimarães, Jacqueline Souza, Wallace Botacim, Tamara Almeida, FrédericFrézard, Neila Barcellos.

Pharmaceutical Development and Technology, 2014


Piridostigmina possui atividade cardioprotetora quando encapsulada em lipossomas ou na sua forma livre. O objetivo deste estudo é desenvolver e caracterizar formulações lipossomais de piridostigmina. Para isso, um método de espectrofotometria ultravioleta foi desenvolvido e validado para quantificar o fármaco nos lipossomas. Duas formulações lipossomais foram preparadas: DSPC/Chol e DOPC/Chol. A eficiência de encapsulação foi de 23,4% e 15,4% respectivamente. As análises de tamanho e o estudo de liberação da piridostigmina foram realizados e a formulação mostrou-se viável para futuros estudos in vivo.

Figura Artigo Frezard 1



Novel nanostructured lipid carrier co-Loaded with doxorubicin and docosahexaenoic acid demonstrates enhanced in vitroactivity and overcomes drug resistance in MCF-7/Adr cells.

Samuel Mussi, Rupa Sawant, Frederico Perche, Mônica Oliveira, Ricardo Azevedo, Lucas Ferreira, Vladimir Torchilin.

Pharm Res, 2014


A proposta deste trabalho foi desenvolver nanopartículas lipídicas carreadoras (NLC) de doxorrubicina e o ácido docosaexaenoico (DHA) e avaliar seu potencial em superar a resistência relacionada ao fármaco antineoplásico e aumentar o efeito antitumoral. As NLC foram preparadas pelo método de homogeneização a quente e caracterizadas pelo seu tamanho, potencial zeta e eficiência de encapsulação. O estudo de liberação da droga foi realizado pelo método de diálise e a citotoxicidade avaliada em linhagens tumorais MCF-7. Os resultados mostraram que a co-encapsulaçãode doxorrubicina e DHA em NLC aumentou a citotoxicidade e superou a resistência da doxorrubicina na linhagem avaliada.

Figura Artigo Samuel 3Figura Artigo Samuel 2Figura Artigo Samuel 1



pH-sensitive liposomes for drug delivery in cancer treatment

Diego dos Santos Ferreira, Sávia Caldeira Lopes Araújo, Marina Santiago Franco, Mônica Cristina Oliveira.

Therapeutic Delivery,2013


Nos últimos anos, lipossomas tem sido empregado com sucesso como carreadores de agentes antineoplásicos. Uma estratégia usada para aumentar a eficácia da entrega das drogas em locais específicos são os lipossomas pH-sensíveis. Esses, exploram o processo de acidificação endossomal, que leva a desestabilização lipossomal e liberação do seu conteúdo no citoplasma da célula. Esta revisão mostra o panorama atual do desenvolvimento e aplicabilidade dos lipossomas pH sensíveis no tratamento do câncer, focando o mecanismo da pH sensibilidade e a composição lipossomal, além da discussão de suas aplicações em estudos in vitro e in vivo

Figura Artigo Monica  Figura Artigo Monica 2